quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Oracle anuncia o fim do plugin do Java

Nessa quarta-feira, 27, a Oracle divulgou um curto comunicado que deixou o mercado de tecnologia pessoa empolgado: a esperada morte do plugin do Java. A empresa explicou que, como muitas marcas de navegador anunciaram que acabarão com a possibilidade de se instalar plugins nos seus produtos, não faz sentido manter o do Java.

Assim, no JDK 9 - o kit de desenvolvimento Java -, este que é um dos plugins mais criticados por especialistas em segurança virá desativado como preparação para sua desativação completa, que, segundo a Oracle, ocorrerá em alguma atualização futura.

É fácil entender por que a plataforma ficou tão indesejada, basta uma busca no Olhar Digital para encontrar inúmeros casos em que falhas no plugin provocaram ciberataques. A Oracle até tomou uma bronca pública nos Estados Unidos por tentar fazer com que o Java parecesse mais seguro do que realmente é.

Fonte: OlharDigital

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Advogado da Oracle diz que Android gerou receita de US$31 bi

O sistema operacional Android gerou receita de cerca de 31 bilhões de dólares e lucro de 22 bilhões desde seu lançamento pelo Google, afirmou um advogado da Oracle durante audiência na Justiça dos Estados Unidos em que a empresa de software corporativo processa a gigante das buscas na Internet.

Um advogado do Google não questionou os números, segundo a transcrição da audiência realizada na semana passada. Mas ele afirmou que a unidade da Alphabet Inc pode estar disposta a revelar mais informações sobre a receita produzida pelo Android como parte dos procedimentos legais do processo.

O Android foi lançado em novembro de 2007 em versão alpha. A primeira versão comercial, Android 1.0, foi liberada em setembro do ano seguinte.

A Oracle acusa o Google de usar sua tecnologia Java sem pagar por ela para desenvolver o Android.

Representantes do Google e da Oracle não estavam imediatamente disponíveis para comentar o assunto.

O caso envolve o quanto de proteção de direito autoral deve ser concedida sobre a linguagem de programação Java, que o Google utilizou para projetar o Android. A Oracle busca pagamento de royalties enquanto o Google argumenta que poderia usar o Java sem ter de pagar taxas.

Fonte:Exame

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

JCP TOUR 216

Será iniciado o JCP Tour de 2016, infelizmente não formos contemplados, mas poderemos participar online, veja abaixo.


O Java Community Process (JCP) é um mecanismo cujo objetivo é elaborar especificações técnicas padrão para a tecnologia Java e entre os dias 18 e 26 de Janeiro acontecerá um Tour com alguns membros do comitê executivo em algumas cidades brasileiras:



18 de janeiro, Goiânia
19 de janeiro, Uberlândia
22 de janeiro, Rio de Janeiro
25 de janeiro, Vitória Espírito Santo
26 de janeiro, São Paulo


Em São Paulo esse encontro acontecerá na Global Code e haverá transmissão.



Data: 26 de Janeiro
Horário: 19:00
Local: Globalcode São Paulo / Online
Endereço: Av. Bernardino de Campos, 327, São Paulo – SP, 04004-050 (Mapa)
Inscrição:AQUI
Entrada: Gratuíta


Programação:

Título: As melhores dicas para você impulsionar sua carreira de desenvolvedor, ganhar experiência e se posicionar no mercado. Mesmo que você não tenha terminado a faculdade!

Descrição: Nesse tempo de incertezas, você já pensou na sua carreira pros próximos anos? Está preparado para conseguir um bom estágio, ou uma boa posição em uma empresa bacana? Quer lançar sua idéia no mercado e precisa mostrar pros investidores que você é capaz? Como se tornar experiente, se todo mundo já exige experiência? Você vai tirar umas certificações para se destacar, ou pretende aceitar um empreguinho qualquer, para “ganhar experiência”?

Ser um profissional atualizado e ficar sempre antenado é de grande importância para a carreira. Mas não basta… É preciso mais do que conhecer. É fundamental colocar a “mão na massa” e passar por problemas reais, mostrar que você é capaz de trabalhar em equipe.

Existem atividades que você pode fazer HOJE, que vão te dar experiência, aumentar seu networking, e te posicionar no mercado muito antes de você entregar um currículo!

Essa palestra vai te mostrar técnicas e práticas simples, que qualquer desenvolvedor é capaz de fazer — mesmo os novatos — mas que trazem benefícios diretos para sua carreira. Aprenda como conhecer pessoas, ganhar experiências, trabalhar nos projetos mais importantes do planeta, sem sair do seu emprego atual ou antes mesmo de terminar a faculdade!

Os palestrantes são reconhecidos mundialmente pelo seu trabalho com Open Source e a definição da tecnologia Java, e vão contar suas melhores dicas para você alavancar a sua carreira em qualquer área do desenvolvimento de software que você escolher!



Palestrante: Patrick Curran

Mini-bio: Patrick Curran is Chair of the JCP. In this role he oversees the activities of the JCP Program Office including driving the process, managing its membership, guiding specification leads and experts through the process, leading the Executive Committee meetings, and managing the JCP.org web site. Patrick has worked in the software industry for more than 20 years and at Sun for 15 years. He has a long-standing record in conformance testing, and most recently led the Java Conformance Engineering team in Sun’s Client Software Group. He was also chair of Sun’s Conformance Council, which is responsible for defining Sun’s policies and strategies around Java conformance and compatibility.

Patrick Curran Patrick has participated actively in several consortia and communities including the World Wide Web Consortium (W3C) (member of the W3C’s Quality Assurance Working Group, co-chair of the W3C Quality Assurance Interest Group), and the Organization for the Advancement of Structured Information Standards (OASIS) (co-chair of the OASIS Test Assertions Guidelines Technical Committee). Patrick blogs at http://blogs.oracle.com/pcurran/

Palestrante: Otávio Santana

Mini-bio: Um Desenvolvedor apaixonado pelo que faz. Praticante da filosofia ágil e do desenvolvimento poliglota na Bahia, JUG Leader do JavaBahia, coordenador do SouJava além de auxiliar em diversos JUGs ao redor do mundo, um dos fomentadores do grupo LinguÁgil. Leva a sério o termo “Make the future Java” presente como membro do Java Expert Group em diversas especificações Java nas plataformas SE, ME e EE, principalmente na SE em que contribui diretamente para o projeto OpenJDK, além de ser membro do comitê executivo do JCP, inclusive ganhando um outstanding member award e Java Champion pelos seus feitos. Presente nos maiores eventos Java e desenvolvimento de software do mundo. Contribuiu para diversos projetos Open Source também é membro da OSI, Open Source Instituite, desenvolve e realiza manutenções nos principais projetos Java da Apache Foundation na qual atualmente é commiter. Quando sobra tempo, escreve artigos, livros e ajudar revisão técnica de diversos materiais no mundo Java.

Palestrante: Bruno Souza

Mini-bio: Bruno Souza é Presidente do SouJava. Conhecido como o “JavaMan”, é evengelista Java e open source, e trabalhou na criação e fortalecimento de comunidades em toda sua carreira. Foi diretor mundial de Comunidades Open Source, coordenou importantes comunidades como NetBeans e OpenSolaris e ajudou a criar a Comunidade Mundial de Grupos de Usuários Java. Desenvolvedor Java desde os primórdios da tecnologia, participou de alguns dos maiores projetos Java do país, e realizou centenas de apresentações em todo o mundo. Bruno é também Diretor da Open Source Initiative (OSI), onde discute a evolução do movimento open source. Quando não está em um computador, Bruno curte o seu tempo com a família em um pequeno esconderijo próximo a São Paulo. Amador em varias atividades — fotografia, fantoches, pai — ele tenta ter sucesso em algumas delas.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Java é escolhida a Linguagem de Programação de 2015

De acordo com o Índice Tiobe, o Java foi a Linguagem de Programação do ano de 2015, a mais pesquisada na Internet em diferentes mecanismos de busca.

Essa é a primeira vez que o Java conquista a primeira posição desde 2005, embora no ano anterior já tenha ocupado o segundo lugar e perdido apenas para o C. Entre Janeiro de 2015 e Janeiro de 2016, as posições se inverteram.

O Índice Tiobe estabelece um ranking de linguagens de programação, classificadas pela frequência em que são consultadas na web em mecanismos de busca usando o nome da linguagem como termo de pesquisa. Criado por uma empresa holandesa, o sistema analisa dados do Google, Google Blogs, MSN, Yahoo!, Baidu, Wikipedia e YouTube desde 2002.

O próprio comunicado oficial do  Tiobe estranha a vitória do Java: “a princípio pode parecer surpreendente que uma linguagem antiga como o Java vença esse prêmio”. Mas esclarece que “Java é atualmente número um no mercado empresarial e número um no ainda crescente mercado de desenvolvimento de aplicações móveis (Android)”. E prevê: “o futuro parece brilhante para o Java”.

Veja o ranking completo aqui

Fonte: Código Fonte

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Android 6.0: sai Java, entra OpenJDK

Pelo visto o Google cansou de depender da Oracle no que diz respeito ao Android. Hoje boa parte do código do robozinho utiliza as APIs da linguagem proprietária, mas desde algum tempo Mountain View vem brincando com alternativas. Uma delas seria o projeto Sky, que utilizaria a linguagem Dart no lugar do Java.

Como esse ainda é um plano de longo prazo, o jeito é improvisar: se não dá para se livrar do café javanês de cara ao menos o Google pode deixar de arcar com as licenças, e por isso anunciou que o Android 6.0 não mais utilizará as APIs proprietárias da Oracle, que serão substituídas pelo OpenJDK, a versão código aberto do kit de desenvolvimento do Java.


O movimento de chutar a Oracle do robozinho foi descoberto por desenvolvedores, e tão logo o rumou começou a se espalhar o Google veio a público e confirmou sua intenção de implementar apenas o OpenJDK na versão 6.0. Estas são as palavras oficiais da empresa:

Como uma plataforma de código aberto o Android continuará sendo desenvolvido com a colaboração da comunidade open source. Em nossa próxima versão do Android pretendemos mover as bibliotecas do Java para uma abordagem baseada em OpenJDK, a fim de criar uma base de código comum para os desenvolvedores, o que irá simplificar o desenvolvimento de aplicativos e serviços. O Google tem trabalhado e contribuído por muito tempo com a comunidade do OpenJDK, e estamos ansiosos para provermos ainda mais contribuições para o projeto no futuro.

O Google espera que ao adotar o OpenJDK, o desenvolvimento de aplicações seja facilitado já que uma só biblioteca implica em colaboração da comunidade em escala, além de poder alterar a API a seu bel prazer e turbiná-la como desejar. Claro que há as implicações legais nisso, se livrar do jugo da Oracle é muito provavelmente o motivo principal para abrir mão de um código proprietário e adotar um aberto.

Vale lembrar também que as relações entre as duas companhias nunca foram amistosas. Quando a Oracle comprou a Sun Microsystems em 2010 (a então dona do Java) ela processou o Google por infração de copyright, dizendo que o Android não poderia utilizar a linguagem sem permissão. Por sua vez o Google contra-atacou, dizendo que pela importância para desenvolvimento de software, colaboração e inovação as APIs não poderiam ser parenteáveis.

Em 2012 o Google venceu a disputa, mas no ano passado a Oracle conseguiu reverter a decisão, praticamente obrigando o Google a pagar pelas licenças. O caso agora corre na Suprema Corte. Porém Mountain View não quis mais esperar: enough is enough, que a Oracle fique com o Java e partiu para outra. E a comunidade agradece.

Fonte: MeioBit

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Oracle é acusada de enganar clientes ao tratar da segurança do Java

A Oracle levou uma bronca da Comissão de Comércio dos Estados Unidos (FTC) por não tratar claramente sobre como funcionam as atualizações do Java, deixando os clientes acreditarem que têm uma plataforma mais segura do que ela realmente é.

A questão levantada pela FTC é que a Oracle falhou em avisar que as atualizações não removem versões anteriores à 6 update 10 dos computadores. Assim, embora passe a sensação de que está deixando as máquinas mais seguras, na verdade a companhia acaba encanando os clientes, porque versões antigas do software são facilmente exploráveis para ataques.

“Quando o software de uma empresa está em centenas de milhões de computadores, é vital que seus comunicados sejam verdadeiros e suas atualizações de segurança realmente garantam segurança para o software”, reclamou Jessica Rich, uma das diretoras da FTC.

Após reclamação do órgão, a companhia concordou em ser mais transparente a respeito do assunto para não causar problemas de interpretação. A Oracle também terá de dar informações sobre como os clientes podem desinstalar versões antigas do software.

Escrito por LEONARDO PEREIRA
Fonte: OlharDigital

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Oracle propõe novo projeto Mobile OpenJDK

A Oracle propôs um novo projeto para revigorar o estado do mobile no Java. Se for adotado pelo OpenJDK, o Projeto Mobile será focado em portar o OpenJDK para plataformas móveis populares como iOS, Android e Windows Mobile.

Bob Vandette, líder proposto para a iniciativa, confirmou que a Oracle tem a intenção de fazer contribuições essenciais para o novo projeto, que teria como base o OpenJDK 9. Os detalhes incluem suporte para:

  • O equivalente ao profile compact2 do Java 8, mas como um módulo do Java 9;
  • iOS x64 e arm64 (o arm64 por meio de um interpretador puro em C++);
  • Android x86 e arm (32-bit com o JIT habilitado);
  • Windows 10 x64 Surface Pro;
  • Interface de ajuda JavaLauncher para simplificar a inclusão do Java em aplicações móveis.

A Oracle planeja contribuir com o sistema de compilação, além do Hotspot e mudanças no código da JDK para chegar a plataformas móveis. O anúncio parece indicar que a Oracle incluiria a habilidade de produzir Java runtimes estáticas, como o iOS tem restrições a certos tipos de transformações de código dinâmico que são normalmente realizados pelo Java em tempo de execução.

A proposta ainda precisa ser aprovada pelos membros votantes elegíveis do OpenJDK, mas parece ter tido apoio em uma votação antecipada.

Com informações de InfoQ


Fonte:Imasters