sábado, 14 de janeiro de 2017

Abertas as chamadas de trabalho para o NoSQL-BA



Os banco de Dados NOSQL (not only SQL) foram criados, principalmente, para resolver problemas com aplicações web que precisam operar com gigantescas cargas de dados além de poder escalar com grande facilidade. Esses tipos de banco de dados vem sendo usados com muita frequência em redes sociais como Twiter, Facebook, além de persistência em aplicações nas nuvens. Outro ponto importante a citar é a crescente adoção destas novas tecnologias, inclusive em mercados mais conservadores, tais como instituições financeiras e agências governamentais, seus motivos são diversos normalmente para solucionar problemas com flexibilidade, escalabilidade, latência e performance. Para demonstrar, compartilhar essas tecnologias foi criado o evento NOSQL-BA.

O evento está procurando pessoas que desejam compartilhar experiências, falar de cases de sucessos, apresentar tecnologias etc. relacionado ao tema NOSQL.


  • Palestra: Palestra normal do evento
  • Debate: Discussão com até quatro palestrantes
  • Mini Palestra: Apresentação de 15 minutos
  • Workshop: Um mini-curso (4 horas).


O evento acontecerá em Salvador entre os dias 30 de março até o dia 1 de abril em Salvador, em breve mais informações:

O prazo de envio é até 27 de Janeiro, sexta-feira.


Link: https://goo.gl/forms/gCMUQpJ4nR6EkWPx1

(OFF) Atlassian está adquirindo a Trello

A equipe do Trello anunciou em seu blog que a Atlassian está adquirindo a mesma.

Há cinco anos na conferência TechCrunch Disrupt em San Francisco foi foi lançado esta ferramenta que em números são mais de 19 milhões de pessoas usaram Trello para resolver muitos desafios diferentes, tanto pessoais como profissionais.

Agora a Trello se junta a ferramentas  de colaboração como JIRA, Confluence, HipChat e BitBucket. 

Tanto os Trellistas como os Atlassianos compartilham a paixão por ajudar as equipes a trabalhar melhor em conjunto, diz em anuncio.

Eles também dizem no anuncio que continuará a operar como um serviço autônomo, para que não precise alterar uma coisa sobre a forma como está usando Trello atualmente.

Veja mais no anuncio oficial.

(Ops!) Google Go é indicada a Linguagem do Ano pelo Tiobe

Não deu para o Java desta vez: a Linguagem de Programação do Ano de 2016, segundo o Índice Tiobe, foi o Google Go.
A linguagem desenvolvida pelo Google apresentou um crescimento vertiginoso no interesse dos programadores no ano passado e passou a frente de todas as outras, inclusive o Java, vencedor de 2015.

De acordo com os organizadores do ranking, o Google Go disparou para o topo, “sem qualquer competição”, em termos de procura por parte dos desenvolvedores.”Os principais motores por trás do sucesso do Go estão na sua facilidade de aprendizado e sua natureza pragmática. Ela não é sobre conceitos teóricos como herança virtual e mônadas mas sobre experiência de mão na massa”, afirma o Tiobe em seu comunicado oficial.

Esse crescimento no interesse também se manifestou no índice de utilização da linguagem de programação, que saltou da 54ª posição em Janeiro de 2015 para o 13ª lugar em Janeiro de 2016. Os três primeiros lugares em utilização permaneceram inalterados, nas mãos do Java, C e C++, respectivamente.

O Índice Tiobe estabelece um ranking de linguagens de programação, classificadas pela frequência em que são consultadas na web em mecanismos de busca usando o nome da linguagem como termo de pesquisa. Criado por uma empresa holandesa, o sistema analisa dados do Google, Google Blogs, MSN, Yahoo!, Baidu, Wikipedia e YouTube desde 2002.


Fonte: Código Fonte

sábado, 7 de janeiro de 2017

Oracle promete Java 8 para este ano

2017 começou sendo um “feliz ano novo” para os desenvolvedores Java. A nova versão da linguagem (Java EE 8) deve ser lançada já nos primeiros meses do ano.

Já se vão mais de duas décadas desde o lançamento de Java, que tem sido a linguagem favorita para desenvolvimento, de acordo com o índice Tiobe, especialmente por causa de sua filosofia “Write Once, Run Anywhere” (WORA – Escreva uma vez, rode em qualquer lugar).

A Oracle fez um anúncio formal do lançamento de Java EE 8 em 2014, durante o JavaOne, com todo o roadmap e a expectativa de lançamento para o JavaOne 2016. O atraso foi indicado já em 2015, com previsão para o primeiro semestre de 2017.

A expectativa da comunidade é que com o lançamento da nova versão, Java solidificará sua presença, apesar dos fortes rivais e das rápidas mudanças nas tecnologias.

***


Fonte: Imasters

CDI 2.0 Beta é lançado

Context and Dependency Injection para Java EE (CDI) se tornou um dos componentes mais importantes da plataforma Java logo após o lançamento da versão 1.0, que foi parte de Java EE 6. Após mais de dois anos, agora o CDI 2.0 Beta 1 foi lançado, com uma lista de novas features. O Beta para RI (Weld 3.0 Beta1) já está disponível para download.

É importante testar o RI e descobrir a nova API. Os recursos estão listados no post do anúncio oficial, no blog do CDI.

De acordo com o post, as novas features do CDI 2.0 são:

As especificações foram dividias em 3 partes para adicionar suporte ao Java SE
API para fazer boot do CDI no Java SE
Observers (ex: events) ordering
Asynchronous event
Configurators para a maior parte de SPI elements
Possibilidade de configurar ou vetar métodos observer
Annotation Literals incorporado
É possível aplicar o interceptor nos producers
Alinhamento com features de Java 8 (streams, lambdas, repeating qualifiers)

De acordo com a empresa, a versão final do CDI deve estar pronta no final de fevereiro. Na sequência, os desenvolvedores começarão a trabalhar na versão 2.1, para adicionar novas features e utilizar o Java EE 8 completamente.

***

Com informações de http://www.c-sharpcorner.com/news/cdi-20-beta-gets-released

Fonte: Imasters

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

(Continua) Oracle entra com pedido de apelação contra o Google em caso de Java

A Oracle entrou com um pedido oficial de apelação para recorrer da decisão da justiça dos Estados Unidos no caso do uso do Java. Em maio, a empresa perdeu o caso contra o Google em que se discutia se o uso do Java no desenvolvimento do Android configurava como uso justo ou infração de direitos autorais.

O apelo da Oracle não é usa surpresa, mas é considerado um tiro no escuro pois a questão do uso justo é subjetiva e coloca o Google em vantagem.

Entenda o caso
Durante o desenvolvimento do Android, a equipe de programadores usou 37 APIs do Java, que na época era propriedade da Sun Mycrosystems. Quando o Google adquiriu o Android e lançou em 2008 o HTC Dream, firmou um acordo para uso da plataforma de desenvolvimento.

Porém, em 2010, a Oracle comprou a Syn Microsystems e processou o Google por infração de direitos autorais. Em resposta, o Google apelou para o uso justo, alegando que o uso das APIs Java era necessário para desenvolvimento da plataforma e não eram passíveis de serem patenteadas.


Fonte: OlharDigital

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

ORACLE DISPONIBILIZA O JAVA RE V8 UPDATE 111



A Oracle disponibilizou para download nesta terça-feira o Java RE v8 Update 111 para Windows* e outras plataformas.

O Java Runtime Environment (ou Java RE) permite que os usuários executem jogos e aplicativos programados em Java, façam o upload de fotos em certos sites, conversem online, façam tours virtuais e usem serviços como treinamento online, transações bancárias online e mapas interativos.

Muitos serviços de internet banking no Brasil requerem a instalação do Java Runtime Environment no computador, por isso é extremamente importante mantê-lo sempre atualizado. Ele está disponível para download gratuitamente e em versões 32 e 64 bits para Windows.

De acordo com a Oracle, o Update 111 traz correções de bugs e correções para múltiplas falhas de segurança. Algumas das falhas corrigidas são de alto risco.

A lista com os bugs corrigidos pode ser vista aqui e a lista com as vulnerabilidades pode ser vista aqui.



Fim do plugin Java para navegadores


No final de janeiro deste ano a Oracle anunciou em seu blog oficial o fim do plugin Java para navegadores. Assim como o Flash Player da Adobe, o plugin da Oracle sempre sofreu com falhas de segurança.

Com a instrução de padrões como o HTML5, a necessidade do uso de plugins pelos navegadores vem diminuindo cada vez mais.

Alguns navegadores, como as versões mais recentes do Google Chrome e o Microsoft Edge, já nem suportam mais plugins baseados em NPAPI ou ActiveX. O Firefox, da Mozilla, dele eliminar o suporte para plugins baseado sem NPAPI até o final deste ano.

A Oracle confirmou o fim do plugin Java para navegadores a partir da versão 9 do JDK (Java SE Development Kit) e em futuras versões do JRE (Java Runtime Environment).

A empresa recomenda que desenvolvedores de aplicações que precisam do plugin Java para navegadores considerem alternativas como a migração dos applets Java para a tecnologia Java Web Start, que não requer o uso de plug-ins.

Fonte: Baboo